02 outubro 2005

Espaço Sagrado, uma Exploração do Centro Triplo

Espaço Sagrado, uma Exploração do Centro Triplo
por Paradox
Há três grandes portões que são centrais para os ritos dos Druidas: O Poço é o Portão Profundo, O Fogo é o Portão Brilhante, A Árvore é o Portão Estendido a Tudo.
O Poço
O Poço conecta-nos às forças inferiores [não porque são piores ou malignas, mas por estarem abaixo de nossos pés], às correntes fluindo sob o chão que são o sangue da Terra. Essas são escuras, frias, prateadas e ascendem através de nossos pés. Os ossos de nossos ancestrais são as pedras que muram os lados do Poço, criando um túnel dentro dos grandes lagos de memórias e conhecimentos esquecidos, guiando-nos enquanto nós lembramos tudo o que nós éramos, tudo o que nós somos e tudo o que nós seremos. Este é o Lugar onde a Árvore Do Mundo está enraizada, com cada uma de suas três raízes principais alimentadas por um poço.
O primeiro é o poço de Hvergelmir no Norte, e ele é o lar da raiz mais funda, a mais antiga. Aqui é a fonte das águas primitivas da vida e da morte. Esta água é intoleravelmente fria e enchida com um veneno espumoso. Contudo ela alimenta todos os rios. Antigas Serpentes moram aqui, festejando sobre a raiz, mas a Árvore é forte.
O próximo é o Poço do Destino onde três mulheres das raças anciãs cuidam da árvore, restabelecendo e renovando ela pela aspersão das águas de seu poço, mantendo o modelo do universo. Elas vieram quando os deuses eram ainda despreocupados e jovens, colocando em movimento as forças do destino, o fluxo do tempo e as leis que formam nosso mundo assim como nossas ações. Essas três mulheres são chamadas as Norns, e atuando ao seu lado estão todas as norns menores de várias raças que governam todos os nascimentos, marcando os caminhos disponíveis para cada ser. Elas sabem o significado e propósito de cada vida, porque são as tecelãs que fazem os modelos fora do caos. Nem mesmo os deuses podem governá-las, mas com astúcia, pode-se encontrar caminhos diferentes para satisfazer o destino.
O último é o Poço de Mimir. Aqui é guardado o estoque de todo conhecimento, sabedoria e força. Tudo que ele contem está disponível, para aqueles desejosos para pagar seu preço. Muitas são as deusas e deuses que fizeram sacrifícios aqui para atingir suas forças e atributos. Eles deram deles mesmos e foram tornados sagrados por sua oferenda. Este é o poço de todas as possibilidades. Aqui nós podemos tornar-se algo que nós desejamos, e o preço é ação. Nós devemos dar o que nós éramos, sacrificar nossa vida, e então continuar vivendo como uma pessoa diferente, com deveres diferentes e dons. O Poço dos Desejos então se torna o Poço de Memória.
Fogo
O Fogo da Lareira é a força de transformação que criou vida fora da substância das águas primitiva. Ele é o fogo primal, a essência da mudança e a faísca da vida. Exatamente como as águas saciam nossa sede e suprem a maior parte de nosso corpo, é o fogo que nos alimenta, abastece e nos anima. Ele cozinha nossa comida, extrai a essência da comida enquanto descarta o rejeito através de digestão. Outra vez isto age em tornar essa reserva em combustível para ação.
O Fogo Sacrificial é o portão através do qual nós alimentamos as deusas e deuses. Sacrificar é fazer sagrado (em latim sacri fere). O fogo libera a essência dos alimentos que nós damos as divindades, leva-a para seu mundo e santifica nosso relacionamento com eles. O fogo é o recipiente da hospitalidade que consolida a amizade e nos permite pedir um presente de volta. O Fogo cria uma encruzilhada, um lugar de encontro onde nós podemos mostrar respeito, boas maneiras, e fazer trocas para o que nós necessitamos.
Então há o Fogo Selvagem, o destruidor que consome e deixa somente cinzas. Ele é também o purificador que remove impurezas. Ele é a fumaça que ascende da haste que limpa alguns dos obstáculos e bloqueios, e deixa pronto para aproximar-se espaço sagrado com intenção focalizada. Ele é o fogo que terminará o mundo quando a hora chegar, de modo que ele possa nascer outra vez de suas cinzas, ascendendo como a fênix.
Árvore
A Árvore alcança em todas as partes, com raízes ou com ramos, e o tronco encontra-se no centro do universo. Este centro não é um lugar físico ao qual você possa chegar, ele é um estado que nós definimos. Cada vez que nós fazemos um ritual do Druidismo, nós fazemos nosso espaço sagrado fazendo-lhe o centro de tudo. De lá, nós podemos alcançar todos os mundos e todas as existências, nós podemos cavalgar a Árvore para onde quer que nós escolhamos.
Ela cresceu entre as águas primais e o fogo primal, transpondo o grande intervalo que separa eles, dando estrutura ao mundo assim como a diversidade. Ela é vida, dando alimento conforme ela é alimentada. A Árvore é nosso lar e nossos pais.
No topo da Árvore senta a Águia dos Ventos, e entre seus olhos está pousado o falcão atento. Abaixo está uma grande serpente que morde nas raízes, e ao longo do tronco corre um esquilo levando mensagens.
No teto de um salão, um veado come nas bordas da Árvore e de suas galhadas de veado a água goteja abaixo dentro do Poço de Hvergelmir. No teto de um salão, um cabra come nas bordas da Árvore e de suas tetas flui o hidromel, a bebida mais sagrada dos deuses e deusas, que eles compartilham com os poderosos dentre os mortos que moram com eles.
Perguntas a considerar
· Que tipo do poço é usado mais comumente no ritual? Por quê? De que maneiras os outros poços podem ser usados?
· O que são os nove fogos? Quais são principais?
· Que tipos de fogo podemos usar no ritual, e como?
· Como o fogo trabalha?
· Se cada um dos poços e fogos fosse uma pessoa, como agiriam? Descreva-os e a maneira que você imaginaria que olhariam, ou escreva histórias pequenas sobre eles.
· O que você acha que está fora do alcance da árvore?
· Compare a árvore com o conceito de deidades supremas. O que elas fazem, seus atributos, etc. Seja especifico em que esse ser supremo deveria fazer.
· Quais são as funções das diferentes partes da árvore? Esteja certo para falar das folhas.
· O que são anéis do crescimento? (Esses que você vê em uma árvore que foi cortada.).
· Admita que espaço, tempo e significado, são as três coordenadas que podem descrever qualquer coisa. A que correspondem?
· Não é sempre possível fazer o ritual com uma árvore real, um poço e uma fogueira.
· Dê tantos como exemplos quanto você puder de substituições criativas.

1 Comments:

At sex out 14, 12:51:00 AM, Anonymous DRUIDA said...

Sem querer ser chato, mas já sendo...

Quais as fontes que você usou para o texto??

A respeito da repartição dos três mundos: subterrâneo, tronco e céu...

Eu nunca tinha ouvido falar

 

Postar um comentário

<< Home